.

.

donderdag 1 december 2016

Como uma lâmina da grama deu à luz um feijão.



Um conto de fadas

Havia uma vez uma lâmina de grama. Ela era orgulhosa, fresca e verde, com suas belas radículas na terra.
"Ah, a vida é bela", disse a lâmina de grama e ela olhou para o céu azul. Estava a chover um pouco e o vento soprava seco.
"Mmm bom", pensou a lâmina e ela cresceu um pouco cada dia.
E ela cresceu uma menina forte e fresca. Ela tem uma nova folha sobre si e em sua cabeça cresceu uma impressionante e bela pluma de grama.
"Ah, eu sou tão bonita", disse a lâmina e olhou ao seu redor.
"Ah, eu tenho certeza que tão bonita como ela e ela e ela e ela..."
E assim descobriu a lâmina que ela não era a única sob o céu azul. A lâmina descobriu que havia muitas gramíneas estranhas também. Lâminas de grama com flores amarelas, azuis e vermelhas, com espinhos e em formas estranhas.
"Ei, quem é você?", exclamou a lâmina ao encontrar uma flor amarela.
"Não me incomode", disse a flor amarela. "Eu só estou a fazer a eclosão do meu botão." E então houve outra flor amarela sobre a flor amarela.
"Como você faz isso?", perguntou a lâmina de grama.
"Eu não sei", disse a flor amarela. "Isso acontece para mim agora e eu tenho que lidar com ele."
"Ah", disse a lâmina. "Então eu estou feliz que eu só tenho uma pluma. Você gosta dela?"
"Sim", disse a flor amarela. "E ela parece ser muito menos constrangedora."

E assim os dias se passaram. O sol estava brilhando no céu e os dias eram quentes. Choveu um pouco e os dias tornaram-se mais e mais quentes. E a lâmina de grama cresceu e cresceu. Ela viu a lua, e então ela sentiu o calor do sol. Apareceu uma pequena criatura perto dela, com pernas de aranha, e um pássaro pendurado em seu caule forte bicou a sua grande pluma. Pois, entretanto a bela pluma transformou-se em deliciosa semente para pássaros. E a lâmina de grama estava feliz. Mas ela coeçou a sentir-se um pouco abafada. A jaqueta de lã começou a ficar um pouco apertada para sentar, e ela gostaria de olhar um novo e mais espaçoso sítio. Mas como uma lâmina de grama consegue uma nova jaqueta e como comprar uma nova?
"Ela só teve que aprender a lidar com isso e ter paz", disseram as outras gramíneas. "Todos nós temos de lidar com isso. Estamos todos um pouco abafados. Isso é parte de nós."
E a lâmina resignou-se ao seu destino. De que outra forma poderia ser?

Em uma manhã fria, o campo foi surpreendido por um rebanho de ovelhas. Eles correram ruidosamente pela grama e fizeram uma algazarra infernal. Muitos sinos tilintaram, e as ovelhas baliram em todos os tons, do grave ao soprano. A lâmina acordou assustada de sua soneca e viu que suas amigas gramas foram pisoteadas por muitos cascos. Ela mesma perdeu a pluma para uma ovelha, que a comeu, arrancando-a da sua cabeça.

"Mmm, gostoso!", disse a ovelha.
"Tudo bem, então, vá em frente", disse a lâmina. "É muito bom ser considerada deliciosa. E, bem, eu posso ficar sem a pluma. Eu não preciso de muito para ser feliz. Adeus, ovelha!"
Mas a ovelha não a ouviu. Ela já se tinha ido, porque atrás dela corria um cão pastor, que a conduziu para longe.
"Pois, não é divertido ser uma ovelha", pensou a lâmina. E ela não entendeu exatamente o que aconteceu, mas ela estava agora muito menos abafada.

Naquela tarde, o sol estava queimando ferozmente. Na verdade, estava muito quente no meio do dia. Havia algumas pessoas a olhar para o campo. Eles admiravam as lâminas de grama e disseram uns aos outros que agora ela estava alta. E eles descobriram que era o suficiente. A nossa lâmina da grama não entendia, mas algumas horas mais tarde ela entendeu melhor.

Voou uma foice por baixo dela com se fosse o vento, e a lâmina de repente estava no chão. Durou apenas um momento, e ela nem teve tempo de assustar-se.
"Ei, o que está acontecendo aqui?", gritaram as lâminas de grama em volta dela. Porque o mesmo tinha acontecido com eles. Todas elas foram ceifadas.
"Agora eu não tenho mais raízes", pensou a lâmina. "Agora eu posso andar e agora eu posso ir comprar um novo casaco."
E, de seguida, um milagre aconteceu.

Ela foi presa e flutuou pelo ar. Juntamente com as outras lâminas de grama e as flores. Um grande homem colocou-as em um balde e com os seus pés gigantes ele pisou em torno delas. Ele amassou todas as gramíneas e flores juntas em um belo pacote de feno. Elas foram esmagadas e machucadas, e ele pisoteou até que a nossa lâmina pudesse avançar as mangas de sua jaqueta para fora. E todos os seus amigos também tiraram um pedaço de suas jaquetas.
"Uau! Um pouco de ar neste calor é tão bom!", disseram as gramíneas.
E as flores estavam emocionadas. Porque elas tinham desabrochdo muito tempo antes, e já não viam mais muito sentido na vida. Elas já se haviam tornado antigas, resmungonas e um pouco mal-humoradas.
"Vocês fizeram tudo muito bem", as flores disseram às gramíneas.
"Você estão todas douradas. Nós já estamos rígidas e espinhosas. Não, nós não queremos isso. Nós também queremos um novo casaco!"
E agora elas estavam todas juntas na mesma cesta, e todas pensavam que estavam a ir comprar um novo casaco. Todas elas estavam em seu próprio pacote redondo. E agora estava muito mais divertido, porque todos os pacotes estavam a ir juntos para o palheiro. Aqui, as lâminas e as flores conversam sobre o seu estado lastimável e a sua idade e envelhecimento. E essa nova jaqueta podia esperar. Porque elas não se sentiam mais abafadas. E esse foi o grande lucro.
Começou a chover um pouco e o grande homem cobriu-as com um manto quente.
"Então, agora vocês ficam bem e secas," disse o homem. E ele parecia satisfeito.
E isso fez as lâminas de grama e as flores sentirem-se confiantes. Elas eram longas e estavam confortavelmente juntas, incertas sobre o que ainda estava por vir.

Espalhou-se um odor desconhecido. A lâmina podia sentir o cheiro, mas não conseguia identificá-lo. Ela ainda estava perdida em seus pensamentos quando foi presa e imersa em água fria. O homem grande apertou seu pacote de feno sob a água e ele mesmo foi em cima dele! Por muito tempo, a lâmina não tinha passado por tanta coisa. E isso veio muito de repente. Ela não teve tempo nem mesmo para ficar com medo. E agora o cheiro estava em todo lugar.
"Brrr..." ela estremeceu. E os seus amigos também não estavam felizes com isso.
"Quem está fazendo isso conosco? Esta força bruta!", as gramíneas choraram.
"Eu sempre fui muito agradável", disse a lâmina de grama.
"Agora é a hora, eu vou ser rebelde." E ela lutou com agitação.
"Eu não me vou deixar para baixo. Não pense que quero viver neste merda molhada e com fedor!", gritou a lâmina de grama. "Amigos, empurrem! Força! Juntos!"
E todos juntos empurraram com toda a força. Mas o homem era mais forte, e ele colocou uma grande pedra sobre as lâminas e flores. Exaustas, elas permaneceram na água marrom suja. Cansadas de lutar, elas baixaram a cabeça.
"Blup", disse a lâmina ainda. E, em seguida, parecia que ela ia afogar-se.
"Oh, oh, o que é isso agora?"

E assim a lâmina de grama tornou-se mais e mais macia. Mais e mais solta. E cada vez mais fraca. Demorou horas e horas. Demorou mais tempo do que ela desejava. Porque ela não estava a sentir-se bem. E se você não está a sentir-se bem, tudo parece levar muito tempo. Havia coisas a movimentar-se na água suja, mas ela não as reconhecia. Essas coisas lhe faziam cócegas e tentavam entrar nela. E essas coisas rastejaram nas mangas quebradas de sua jaqueta. Parecia que as coisas estavam a planejar viver dentro dela.
"Bem, esta é uma bela casa," diziam as coisas juntas.
A lâmina de grama estava certa de que os tinha ouvido dizer isso.
"Realmente, elas vieram morar dentro de mim. E ficou cada vez mais agitada."
As coisas dentro dela faziam as suas próprias coisas. Encontrou seu próprio caminho e estavam muito satisfeitas com a nossa lâmina de grama. Havia mais e mais membros-da-família-de-coisas e eles expeliam o ar para fora dela, porque precisavam de mais espaço.
"Blup", disse a lâmina novamente. E arrotou.
"Você pode comer aqui no chão", disseram as coisas. "Há o suficiente."
E as coisas estavam a comer dentro dela e também a evacuar dentro dela. E eles fizeram uma grande bagunça.
"Merda!", disse a lâmina de grama.
Mas ela não tinha muito mais a dizer. Ela foi ficando mais macia, mais suave e úmido. E assim ela caiu em um sono profundo.

O que não sabia a nossa folha de grama é que este estado realmente não dura muito tempo. Pelo menos não para as nossas noções humanas. Porque depois de um dia e uma noite, o homem libertou as lâminas de grama e as flores da água suja e fria. Houve um belo barril a esperar por elas, onde todas foram autorizadas a escorrer e secar e ficar lá por um tempo para recuperarem-se do choque. Entretanto, poderiam aquecer-se um pouco.
Nossa lâmina, então, sentiu-se renascer. Enquanto isso, ela tinha feito a paz com as coisas que viviam dentro dela. Parecia agora que essas coisas definitivamente ficariam lá. Estavam agora a divertir-se. Havia comida suficiente porque a lâmina lhes deu, num gesto nobre. Ela mesma também estava a sentir-se muito bem. Só que muito diferente. Ela havia-se tornado um pouco mais fina e mais flexível por fora. Ela sempre tinha sido flexível, mas por dentro. Uma menina doce, agradável e especialmente bonita. Mas agora ela estava flexível no exterior também. E o que foi ainda melhor é que o casaco apertado dela, o seu corpete apertado, estava quase completamente dissolvido. E era uma libertação agradável.
Por isso, pode ser estranho viver a vida de lâmina de grama.

Nossa lâmina de grama apreciava o calor no tanque juntamente com os seus amigos. Ela estava a divertir-se. Mas, ei!, tudo parece ter chegado ao fim. Pois a vida vai além e traz coisas novas consigo. E assim foi. Havia coisas novas, e as coisas velhas foram-se. As coisas que viveram dentro dela morreram uma por uma. Eles foram substituídas pelas coisas novas que chegaram. A lâmina pensou que talvez fosse o calor, porque as coisas velhas queixaram-se amargamente. E as novas coisas aproveitaram a chance. Porque reclamar não ajuda. De fato, se você reclamar, há sempre alguém que vai aproveitar-se. E assim foi. As novas coisas assumiram o interior da lâmina e continuaram a viver dentro dela. Era uma sequência de acontecimentos. Comeram e beberam, falando todas juntas, e cantaram canções. E assim ouviu a lâmina que as coisas se chamavam bactérias.
"O povo das bactérias", disseram as coisas.
Mas isso não era tudo. Eles descobriram-se "o superpovo das superbactérias".
"Nós somos o povo escolhido", disseram elas todos juntas. E acreditavam nisso firmemente.
"Nós vamos para a guerra" disseram elas. "Nós seremos vitoriosos", disseram elas. "Nós queremos morrer na batalha, porque nós combatemos o bom combate!"
Tal linguagem a lâmina nunca tinha ouvido, palavreado tão agressivo. E os seus amigos também acharam que era impressionante. "É algo inédito", elas disseram. Mas aconteceu mesmo assim. Assim foi.

A briga terminou abruptamente quando a tampa do recipiente foi aberta.
"Agora você está seca o suficiente", disse o homem com uma voz profunda.
"Eu vou tirar-te daqui e colocar-te num saco grande."
Agora, a lâmina tinha completamente esquecido que tinha escorrido. Ela estava tão tomada pelas bactérias, que estava totalmente esquecida. Ela tinha um pouco menos de brilho agora. E os seus amigos também.
"Isso não é mau," disse o homem. "É o oxigénio."
"Ah", disse a lâmina de grama... "O oxigénio? Estou com a ficar com frio! Aqui era tão agradável e acolhedor."
E ela não apenas perdeu um pouco do brilho da vida, mas também ficou murcha. E os seus amigos murcharam também. Entretanto, eles já se tinham familiarizado com a água suja e com os seus companheiros ruidosos. Foi divertido ter tais vizinhos estranhos, porque você pode ouvir novas coisas. E, bem, vamos deixar claro que a luta dos vizinhos não era a luta das lâminas. Lamentavam apenas que suas vidas devem ser organizados de forma bastante diferente agora.
"O que foi isso? Mas não foi mau do jeito que foi." Agora tudo se encaminhava de forma bem diferente.
 "Vamos sentar-nos aqui no barril", disseram as lâminas de grama e as flores. Mas tal vida não era para elas.

O que aconteceu em seguida foi sem precedentes. Todo o recipiente com lâminas de grama molhadas e flores foi esvaziado e colocado de cabeça para baixo. A água suja foi derramada, e todos os amigos foram esmagados e socados sem a menor cerimônia em um grande saco, junto com mais lâminas de grama e flores molhadas e murchas. Foi um aborrecimento o ruído de idas e vindas. Todas as ervas e flores foram empilhados juntas e todas se perderam. As bactérias com a boca grande, com a sua superioridade, começaram uma luta enorme. Mas todas as outras espécies do seu tipo de bactéria assumiram o comando. A um golpe seguia-se outro. Então, novamente houve um presidente e, em seguida, houve um chefe de exército. Em seguida, houve uma eleição e todos tinham que ir à votação, mas ninguém sabia quem eleger. E o que foi selecionado foi derrubado novamente. Havia sempre um outro grupo de bactérias que gritava...
"À luta!" E então tudo começou de novo a partir do zero.
Sim, e isso tudo em apenas um saco grande. No geral, foi uma baguça. Isso não foi apenas uma tempestade num copo d'água. Não! Era guerra! Foi uma grande guerra bacteriológica.

As gramíneas e flores sempre foram um povo amante da paz. Mas agora sofreram uma derrota. Elas foram completamente dominada pelas bactérias. E podia-se ver isso nelas. Magras, sujas e fracas. Você só podia reconhecê-las por sua estrutura. Fatias finas da grama e haste. Coladas umas sobre as outras e assustadas. Apenas um botão de flor ainda resistia. Foi um horror.

E essa guerra durou muito tempo. Mais tarde isso foi chamado de "a guerra dos três meses". Mais tarde, porque esta agora chegava ao fim. Como tudo, acontece outra vez, por isso é tudo uma conclusão. E então, novamente se vai passar por alguma outra coisa. Há momentos terríveis e há momentos belos. Mas os momentos terríveis a gente se lembra melhor. Eles deixam uma marca em nós, que nos moldam. E isso foi o que aconteceu com a nossa lâmina de grama. Foi moldada para a vida. Você mal podia reconhecer a sua estrutura. Ela estava em estado lastimável. E para piorar a situação... ela estava na peneira.

A peneira movimentou-a abruptamente. Foi despedaçada. E ela estava com frio. De repente havia ar em todos os lugares, e ele parecia soprar. Ela e os seus amigos foram divididos em pequenos nacos, como se fosse um prazer ser jogada em qualquer lugar. Mas ela não estava machucada. Inédito, depois de tudo o que tinha acontecido com elas. Após as sucatas e peças serem todas peneiradas, eles foram para uma grande pilha. Lá estavam a secar, disse-lhes o grande homem.
"Aquele homem, ele foi o principal culpado pelos nossos momentos difíceis", a nossa pequena lâmina de grama pensou. Em retrospecto, ela o considerou responsável por tudo. Ele tinha feito isso para todos eles. Que lastimável! Ela era agora apenas um pedaço e estava também quebrada. Completamente. A vida estava tão bonita e agora esse era o seu destino: ser apenas um pedaço de algo. Isso ela estava a reclamar, deitada sobre a grande pilha, com todos os outros pedaços.
"O meu nome não é mais 'lâmina de grama'. Agora me chamo 'pedacinho'". E disse para si mesma: "Devo morrer". A sua lápide deveria dizer: 'Aqui jaz o nosso querido Pedacinho, que foi uma vez uma orgulhosa lâmina de grama'.

Choveu um pouco e o homem culpado pela situação cobriu-os com um manto quente. Mas isso não a ajudou em nada. Ela não viu nenhuma vida nova para si no futuro. E assim foi com seus amigos. Toda a grama e as flores que sobreviveram à batalha foram divididas. Não havia mais nenhum sentimento de comunidade. Ela já sentia saudades das suas amizades. Mas a quem ela poderia recorrer? De fato, não havia mais ninguém... até que uma manhã...

Certa manhã, uma mulher veio. Ela tinha uma grande pá e colocou os nossos amigos com uma série de outros itens em um grande vaso confortável. Assim foi até que o vaso ficou cheio.
"Ah, este é um belo composto", disse a mulher. "Isto será um grande sucesso." E ela plantou um feijão no vaso.
Houve um pouco de chuva e a mangueira de água veio. E o feijão bebeu um pouco de água. Mas, por outro lado, poucas outras coisas aconteceram.
"Mmm, agradável", disse ele. E ele cresceu um pouco mais forte a cada dia. Ele se tornou cada vez mais grosso. E em um belo dia de primavera...

"Quem é você?", perguntou o nosso Pedacinho.
"Eu sou um feijão", disse o feijão. "Ah, e eu acho que você é muito doce", disse ele. E deu-lhe um beijinho. "Tão agradável e suave e um pouco úmido. Mas um pouco frio. Eu gosto de você. Posso aquecer você?"
"Ah..." disse o Pedacinho. E foi um momento sem palavras. Ele deixou cair uma lágrima, porque estas eram, obviamente, palavras que ele não tinha ouvido por muito tempo. O calor lembrou-o do passado. O calor estava bom e o fez feliz.
"Bem," disse o nosso Pedacinho. "Você pode aquecer-me, mas então você tem que se casar comigo". E depois, o Pedacinho e o feijão casaram-se.

O feijão abraçou-o com muitas raízes e segurou-o firmemente. Eles, misturados em uma bonita planta de feijão verde, foram muito felizes. Quando o primeiro bebê de feijão nasceu, eles celebraram com uma festa juntos e disseram para quem quisesse ouvir. E todo o vaso estava satisfeito.
Juntos, eles tiveram muitos feijões. Passado algum tempo, um novo conto de fadas começou. E essa história foi algo como: "Como pode uma planta de feijão dar uma cenoura?".

*

Stella.


Traduzido do holandês para o português por Google. 
E corrigido por mim, com a grande ajuda do professor João Ghizoni.  



Geen opmerkingen: